AS Notícias Online
HOME POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE GERAL EVENTOS EMPREGOS AGENDA VÍDEOS CONTATO
Boa madrugada - Itabira, quinta, 23 de maio de 2019  

GERAL
Debate sobre aplicativos de transporte tem confusão na Câmara
Motoristas protestaram contra emenda que equipara número de veículos ao de táxis na capital 13/03/2019

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Motoristas de aplicativos e taxistas se manifestaram na Câmara
Motoristas de aplicativos e taxistas se manifestaram na Câmara
PUBLICADO EM 12/03/19 - 21h39

A votação do parecer que julga constitucionais, legais e regimentais 16 emendas ao projeto da Prefeitura de Belo Horizonte que regulamenta as atividades de motoristas de aplicativos na capital gerou tumulto na sessão da Comissão de Legislação e Justiça (CLJ) na Câmara dos Vereadores ontem. Inconformados com a votação, motoristas de aplicativos gritaram e xingaram os parlamentares que participaram da apreciação do relatório do vereador Coronel Piccinini (PSB). 

Eles reclamam da proposta de equiparação do número de veículos particulares ao número de táxis em circulação na cidade.

Os ânimos se exaltaram a ponto de o presidente da comissão, Autair Gomes (PSC), pedir que a segurança da Casa retirasse um dos presentes. “Coloca para fora esse cidadão aí que está agredindo (verbalmente) o vereador. A presença dele não é desejada. A Casa é do povo, mas vocês têm que respeitar os vereadores”, disse Gomes.

A proposta, que foi votada em primeiro turno em dezembro do ano passado, começa a tramitar em segundo turno nas comissões, em que as mais de 20 emendas são analisadas. 

O vereador Gabriel Azevedo (PHS), único voto contrário ao parecer, amenizou o tumulto e explicou o seu voto. “O clima não esquentou, essa é a temperatura normal da democracia. Discordei do parecer porque a CLJ tem um papel fundamental de tirar os vícios do projeto, e as emendas, várias delas, desrespeitam a Constituição. Tornam o projeto algo que afronta a livre iniciativa, que limita o número de veículos e que vai além do que a Câmara pode legislar”, declarou.

Já o vereador Irlan Melo (PR), um dos favoráveis, ressaltou que a discussão na CLJ não é terminativa, afirmando que a proposta vai ser discutida e apreciada nas demais comissões e inclusive no plenário, no qual acredita que vai haver o aperfeiçoamento do o projeto.

Coronel Piccinini, autor do parecer, disse que deixou para o plenário a discussão das emendas, mas vê o projeto com bons olhos tanto para os motoristas como para a prefeitura. 

 


 

 

E-mail: contato@regionaldigital.com.br

REGIONAL DIGITAL 2019. Todos os Direitos Reservados.
REGIONAL DIGITAL
INFORMAÇÃO DE QUALIDADE!
Desenvolvedor: SITE OURO