AS Notícias Online Pode Acreditar
HOME POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE GERAL EVENTOS EMPREGOS AGENDA VÍDEOS CONTATO

POLITÍCA
Funaro confirma que recebeu dinheiro para ficar em silêncio
Em delação premiada, doleiro ratificou declaração do empresário Joesley Batista, diz jornal 01/09/2017

Lúcio Funaro
Doleiro Lúcio Funaro firmou acordo de delação premiada com a PGR após a irmã ser presa
 

BRASÍLIA. O doleiro Lúcio Funaro confirmou, em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal (MPF), que recebeu dinheiro do empresário Joesley Batista, sócio da JBS, para ficar em silêncio diante dos investigadores da operação Lava Jato. A afirmação foi feita em depoimento que consta no acordo, ainda não homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). As informações são do jornal “O Globo”.

De acordo com Funaro, o dinheiro seria para que ele não revelasse o que sabia sobre corrupção e movimentação ilegal de recursos por parte de políticos importantes no país. Se confirmada a informação, o depoimento de Funaro ratifica o que disse Joesley em conversa com o presidente Michel Temer (PMDB). Por isso, a declaração é peça fundamental da denúncia que está sendo preparada pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o peemedebista.

Temer já foi denunciado por corrupção passiva, mas, após maciça distribuiçao de emendas parlamentares, a Câmara dos Deputados rejeitou o pedido para que o STF analisasse a acusaçao contra o presidente antes do fim de seu mandato.

Temer ainda é investigado por obstrução de Justiça e envolvimento em organização criminosa. Os dois crimes devem ser imputados a ele na nova denúncia que está sendo preparada pela equipe do procurador geral da República, Rodrigo Janot.

Na conversa com Temer, travada no dia 3 de março e divulgada em maio, Joesley Batista descreveu uma série de crimes que teria cometido. Em determinado momento do encontro, realizado no Palácio do Jaburu, o empresário disse, de forma cifrada, que vinha fazendo pagamentos regulares a Funaro e ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O ex-presidente da Câmara era um dos maiores aliados de Temer, e Funaro era seu operador.

Em depoimentos da delação premiada, Joesley e outro executivo da JBS, Ricardo Saud, disseram que os pagamentos eram para comprar o silêncio de Funaro e Cunha, uma forma de proteger o presidente e alguns auxiliares. Com a confirmação por parte de Funaro, a versão ganha força e pode complicar o presidente.

Versão antiga. Em um depoimento à Polícia Federal (PF) realizado no mês passado, antes de firmar o acordo de delação, Funaro confirmou os pagamentos, mas disse que se tratava da quitação de uma dívida antiga, ou seja, de um saldo de propinas. Ele teria dinheiro a receber de Joesley porque intermediou negócios da JBS. Investigadores, porém, duvidaram da versão.

Segundo “O Globo”, depois de decidir colaborar com a investigação, o operador revisou declarações anteriores e ratificou a narrativa do dono da JBS. A avaliação de membros da força-tarefa é que Funaro ficou sem opção de esconder o jogo após sua irmã Roberta ser presa, em 18 de maio, com R$ 400 mil recebidos de Ricardo Saud.

Funaro já havia apontado que o ex-ministro Geddel Vieira Lima teria sondado sua família sobre o risco de uma delação. Isso levou Geddel à prisão e também deve fazer parte da delação.

Discrição. A PGR não pediu o fim do sigilo da delação de Lúcio Funaro ao enviá-la pela primeira vez ao ministro Edson Fachin. Por isso, a maior parte do conteúdo não deve tornar-se pública mesmo após a homologação.

Acordo retorna ao STF após ajustes pela PGR


 

 

E-mail: contato@regionaldigital.com.br

REGIONAL DIGITAL 2019. Todos os Direitos Reservados.
REGIONAL DIGITAL
INFORMAÇÃO DE QUALIDADE!
Desenvolvedor: SITE OURO